• Gicult Mídia Notícias Facebook
  • Gicult Mídia Notícias Twitter
  • Gicult Mídia Notícias Youtube
  • Gicult Mídia Notícias Rss Feeds

ONDE ESTOU | Notícias | Centrais Sindicais: Mourão critica 13º para aprofundar golpe de Temer

Centrais Sindicais: Mourão critica 13º para aprofundar golpe de Temer

02 de Outubro de 2018

Noticia 5946
General Mourão, vice na chapa de Bolsonaro, ataca novamente os direitos dos trabalhadores, como o 13º. Foto: Vermelho

Dirigentes de três centrais sindicais ouvidos pelo Portal Vermelho criticaram nova declaração do general Hamilton Mourão, vice na chapa do candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL). O 13º salário foi mais uma vez contestado por Mourão que disse nesta terça-feira (2) que esses custos prejudicam todo mundo. “Ele nem fica vermelho ao falar essas barbaridades”, declarou Sérgio Nobre, secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT).


Segundo o dirigente, ao contestar direitos Mourão vai na contramão daquilo que o povo brasileiro quer. “Mourão e Bolsonaro querem aprofundar o golpe de Michel Temer que retirou direitos sociais e trabalhistas. O país precisa de paz e isso só se obtêm quando há emprego, salário digno, previdência protegendo, educação e saúde pública. Temer, Mourão e Bolsonaro são o oposto disso. Essa declaração dele feita hoje confirma isso”.


Adilson Araújo, presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) classificou como “absurda” e “estapafúrdia” a declaração de Mourão. “Enquanto ele fala em fim do 13º a família do candidato dele à presidência é flagrada com um aumento expressivo no patrimônio. Quer tirar do trabalhador para beneficiar a sua família, o rentismo e o interesse das grandes empresas, a especulação. Querem retroceder ao século XVII defendendo condições de trabalho análoga à escravidão”.


“Vale sempre lembrar que Bolsonaro repete que o trabalhador teria que escolher entre direito ou emprego. A fala do Mourão é exatamente o que pensa essa chapa que aprofunda o golpe de Temer contra os trabalhadores. Eles são aqueles que pensam que a reforma trabalhista foi tímida. Discrimina trabalhador ao criar duas carteiras, é a demolição total dos direitos. A população precisa ficar alerta de que há mais em jogo do que um voto de protesto”, argumentou Miguel Torres, presidente da Força Sindical.


Na opinião dos dirigentes, a eleição deste domingo (7) dá a oportunidade ao trabalhador de repudiar aqueles que querem acabar com os direitos. “O cenário mostrou que existem dois projetos na disputa que é este do Mourão, Bolsonaro, Alckmin que apoiaram o golpe de Temer e o fim do direito dos trabalhadores e o legado representando por Fernando Haddad e Manuela que querem retomar o desenvolvimento do Brasil com geração de emprego e renda’, completou Adilson.


Fonte: Portal Vermelho

comentários | Comente! Opine! Participe!Notícia

Seu comentário irá para moderação e logo após será liberado do site.
Os comentários publicados abaixo não expressam, necessariamente, a opinião do Portal Gicult e são de total responsabilidade dos autores.